quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Crônicas Ludovicenses


Introdução

O Paço do Lumiar

A noite escura esconde passagens, íngremes, estreitas ou largas.
A areia esconde a estrada que outrora fora criada.
Noite sem estrelas, sem luar, escuridão sem fim.
Apenas o quebrar das ondas pode-se ouvir.
Estrada rumo a lugar nenhum, quem poderá guiar-me?
Mesmo na escuridão, mesmo com o medo ao meu redor
Pude ver uma luz, que de longe me mostra o caminho
para seguir em frente, pelo Paço do Lumiar, Através do Passo do lumiar!

Um comentário: